sábado, 10 de janeiro de 2009

.aquela sexta anoite

Os pinguinhos de chuva insistem em bater na minha janela.
São 03:30 da manhã e eu não consigo dormir.
Eu e minha madrugada de companias peculiares... Não falo dessa joça de computador que me acompanha dia e noite e noite e dia, mas sim dos meus livros que estavam empoeirando na cabeçeira da minha cama, como meus diarios antigos, e fotos velhas... Sessão nostaugia total!
Tentei ver um filme, mas minha cabeça anda meio atordoada com os acontecimentos da tarde, axo que li coisas que não queria ler, e falei coisas que não devia ter falado.
Relendo os diarios hoje eu vi que não adianta, eu sempre cometo os mesmos erros.
Sou sincera e transparente demais. Não deixo aquele ¨que de mistério¨ de que tanto as pessoas gostam. Mas enfim, sem arrependimentos.
O tempo é o melhor amigo dessas minhas incertezas, então até lá é aproveitar como está.

3 comentários:

Fernanda! disse...

Na moral?! Ser sincera e transparente demais só nos faz sofrer...Pq isso só atrai mascaras e falsidades, parece q ficam ali obeservando pra dá o tal do bote fatal, não sei se vc sacou o q to falando, mas é isso viajei no teu texto pq venho passando por isso tbém, e sobre passar a noite acordada tentando entender algo q por si já mostra a real é perca de tempo, falo isso pq faz duas noites q estou assim, aliás estava pq hoje depois de ler um e-mail toquei um foda-se para as duvidas e fiz as pazes com as certezas.

Bruxinha, desculpe o erredo de novela mexicana, mais é isso.

Bjos de luz e espero q vc tbem encontre a tua paz de volta.

Hariane disse...

Olá moça, passei aqui e gostei do que li.
Bj

meus instantes e momentos disse...

muito bom o post. Sincero e solto.
Gostei daqui.
Tenha uma feliz semana.
maurizio

 
TOPO
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios